Qual a sua cor preferida?
Essa é uma pergunta que fez muito bem em perguntar na medida em que eu também não lhe sei responder.

A sua última exposição, “lei do menor esforço” foi ou não foi uma maravilha ao nível da execução?
Foi. Em meia hora cada desenho estava pronto. Feitas as contas, multiplicando por 14 fiz os desenhos todos em 7 horas.
O que acabou por ser mais moroso até, e chato, foi a deslocação para a loja das molduras que fica no Cacém.
(www.leidomenoresforço.com)

Como desenhar girafas grandes?
1. Pedir uma licença de um mês no trabalho.
2. Escolher um sitio onde o tempo seja a dobrar, fora da cidade.
3. Contratar um assistente, para produção, companhia e amizade.
4. Dividir o número de dias pelas girafas que se pretende fazer. (no meu caso deu 3 dias por girafa)
5. Estabelecer um horário de vida e cumprir para não passar o dia todo a desenhar. (Depois cada um faz o que quer nos tempos livres.)
O que escolhias fazer nos teus tempos livres?
Ora, era ai que eu queria chegar. Eu contratei o Dinis Santos como meu assistente e fomos para Pedrógão Grande multiplicar o tempo (casa da minha avó Amália).
Levantávamo-nos cada vez mais cedo. Começámos pelas generosas 8h30/9h00 mas acabámos a acordar sempre por volta das 7h00 o mais tardar.
“O que está a dar é pequenos-almoços, ó Chico”, diz o Dinis que já não convida meninas para jantar. Tomávamos um bom pequeno almoço em casa e saíamos para o nosso passeio matinal, que ou tendia para o lado da Sertã ou para o lado de Figueiró dos Vinhos ou Castanheira de Pêra. Voltávamos por volta das 11H e fazíamos uma hora de desenho. Às 12H em ponto, mas em ponto mesmo, tocava a campainha de casa. Todos os dias. Era a São, a minha madrinha que vive na casa da frente. A São é uma senhora muito bem disposta, que apesar de ter alguma dificuldade de mobilidade, não prescinde da pontualidade e era a nossa companhia fiel de almoço. “Em quantas girafas vão?” perguntava para saber se o trabalho ia avançado. Às vezes ficava com a sensação que toda a vila sabia que nós andávamos a fazer girafas umas atrás das outras. Adiante… à tarde desenhávamos umas 5 horas seguidas e às vezes íamos lanchar ao café central, pão com queijo e meia de leite, que serviam apenas para permitir o escândalo que vinha a seguir: o eclair em forma de U que repartíamos irmamente porque só havia um!
E não é que o tempo se multiplicava mesmo. Estivemos lá muito mais tempo do que estivemos de facto. Tanto, que ao sexto dia já o Dinis me dizia o seguinte com toda a naturalidade: “Chico, vou ao António Júlio”. O António Júlio é o dono da mercearia, que eu conheço há anos, e que tinha ordens da minha mãe para não receber um tostão da nossa parte porque era para ficar tudo na conta dela. Impecável, mas deu-nos a chatice de termos que ir adquirir uma garrafa de uísque à vila mais próxima. Uísque, era dito em português cotês (vem de cota) porque fazíamos questão. Era parte do nosso ritual do serão. Sentados nas duas cadeiras de recosto da sala ouvíamos Fausto, Trovante, Zeca, Vitorino e algumas canções soviéticas. E deitávamo-nos por fim por voltas das 22H00, todos os dias.

Exposição para adultos ou crianças?
O meu filho disse uma coisa que eu achei magnífica ao meu pai. O meu pai perguntou-lhe se podia ir com ele para a escola, se o deixavam entrar.
E ele disse-lhe: Não podes porque tu ainda és grande.
Ainda há esperança para o meu pai, pensei de imediato.
Quem fez estas perguntas?
Eu.